BaaS

O que é backend e como ele se aplica aos BaaS?

Tempo de leitura: 15'

Quando falamos em sites ou aplicativos bancários atrativos para os clientes, a primeira coisa na qual a maioria das pessoas pode pensar é em uma interface com design bonito e funcionalidades intuitivas. 

Porém, não apenas de frontend vivem as plataformas. Para que a experiência do usuário seja realmente boa, é preciso ter também um bom desenvolvimento backend, ou seja, as configurações de funcionamento de dados do site ou app devem estar em ordem. 

Se você ainda não sabe o que é backend e como ele se aplica ao universo do Banking as a Service, vamos explicar tudo sobre o assunto neste artigo. 

Acompanhe e tire as suas dúvidas!

O que é backend?

O backend é a área do desenvolvimento de uma plataforma que cuida dos “bastidores”, a parte dos sites e apps com a qual os usuários não interagem diretamente. No entanto, isso não quer dizer que o backend não seja importante. 

Quando um cliente acessa uma página, tem contato com todas as funcionalidades da interface configuradas no frontend, que envolve a parte mais visual de um aplicativo ou site, com a qual é possível interagir. 

Para que esses recursos funcionem corretamente, é preciso que haja também um bom desenvolvimento backend. Isso porque, cada vez que um visitante clica em alguma opção do frontend de uma página da web, ela faz uma requisição ao backend para processar e entregar os dados solicitados. 

Por isso, esses dois aspectos de um site ou aplicativo precisam ser trabalhados em conjunto. Um exemplo do que acontece quando o backend não foi bem desenvolvido pode ser visto quando você acessa uma página e clica em uma determinada opção, mas é direcionado para um link quebrado.

Quando esse tipo de situação acontece, existe um problema no desenvolvimento backend do site, e é preciso solucioná-lo para que o acesso dos usuários às informações seja realizado com sucesso. 

Os profissionais de backend, chamados de desenvolvedores backend, lidam com toda a parte de tratamento de dados de um site ou aplicativo, desde a inserção, até a leitura e o arquivamento dos dados. 

Eles são responsáveis por garantir a segurança das informações de um sistema, assegurar a velocidade do processamento e da entrega das informações, configurar servidores, além de criar a lógica por trás da execução das páginas para que sejam publicadas e funcionem de forma otimizada. 

As principais linguagens de programação utilizadas pelos programadores backend para desenvolver essas funções são:

  • C#;
  • Java;
  • PHP;
  • Node Js;
  • Ruby on Rails;
  • Python.

Essas linguagens servem para que o desenvolvedor consiga elaborar páginas e estabelecer as configurações necessárias para integrar o banco de dados e o servidor de um aplicativo ou site. 

As vantagens do Full Stack

Imagem digitalmente feita em vetor, com um homem sentado à mesa, o fundo é azul claro com linhas de código. A roupa do homem é cinza, assim como seu notebook, ele usa óculos. Essa imagem busca representa o backend

Veja aqui quais são as vantagens de usar o full stack, junção do backend com o frontend, na programação

Como explicamos no tópico anterior, o backend trabalha nos bastidores, ou seja, na parte do tratamento de dados das páginas. Por isso, precisa estar integrado com o frontend para que o site ou app funcione corretamente.

Páginas em que o backend e o frontend não estão bem alinhados podem apresentar problemas sérios de funcionamento, com direcionamentos imprecisos e links quebrados. Essas questões podem representar uma perda muito grande quando se fala em sites de empresas.

Isso porque a falta de integração entre a interface e o sistema de dados de uma página afetam negativamente a experiência do usuário e fazem com que a percepção de credibilidade da marca seja ruim.

Afinal, um site mal configurado e que apresenta uma série de erros de navegação não transmite muita confiança e profissionalismo para os visitantes, não concorda? Assim, muitas empresas acabam perdendo clientes por esses problemas.

A solução para ter um site ou aplicativo otimizado e que funciona corretamente é investir no desenvolvimento Full Stack. Basicamente, isso quer dizer que a página deve reunir as melhores configurações tanto no frontend quanto no backend, otimizando as operações para os visitantes e também para o servidor. 

Quando o site é desenvolvido em um trabalho Full Stack, a experiência do usuário fica muito mais positiva. O design da página passa a ser mais responsivo, o carregamento das informações fica mais rápido e a plataforma não fica suscetível a erros que atrapalhem a navegação.

Aplicativos e sites com bom desenvolvimento acabam gerando uma primeira impressão favorável nos usuários e ajudam a converter os visitantes da página em clientes fiéis da empresa. 

Os profissionais chamados de desenvolvedores Full Stack são capazes de realizar ambos o frontend e o backend. No entanto, não é necessário recorrer unicamente a um Full Stack, sendo possível utilizar os serviços de profissionais especializados em backend e frontend separadamente para ter um desenvolvimento Full Stack. O importante é que o trabalho seja feito de forma bem integrada. 

Backend, REST API e o BaaS.

Imagem feita digitalmente de uma tela de computador com tela preta e linhas de código em tons de verde. Ao fundo da imagem uma outra tela de computador maior com linhas de código em verde  o fundo é azul escuro

O banckend tem um papel importante para o BaaS, entenda

Agora que você já sabe o que é backend, fica mais fácil de entender o papel da REST API e como ambos se relacionam com o universo do Banking as a Service. 

Durante o processo de desenvolvimento backend, é possível utilizar diferentes tecnologias para construir um site. Contudo, para que páginas distintas consigam conversar entre si, é preciso que elas sejam elaboradas a partir de uma mesma tecnologia, com uma espécie de linguagem universal capaz de conectá-las. 

Atualmente, uma das linguagens de arquitetura de rede mais utilizadas para isso é chamada de padrão REST, sigla em inglês para Representational State Transfer 

Esse modelo de arquitetura é voltada para as comunicações via rede, e visa estabelecer características fundamentais para a construção de sites e apps seguindo uma série de boas práticas em comum. 

Por essa razão, o REST é amplamente utilizado no HTTP, um dos principais protocolos de rede, que você provavelmente já deve ter visto nas URLs da maioria dos sites que acessa na internet.

Já a API é uma sigla para Application Programming Interface, que pode ser traduzida como Interface de Programação de Aplicativos. De forma simplificada, a API pode ser explicada como um conjunto de padrões e especificações que servem de ponte para conectar diferentes aplicações da web.

A grande vantagem disso é a possibilidade de integrar, de maneira rápida e segura, sistemas que foram construídos com linguagens totalmente distintas. Quando as APIs não são utilizadas, o processo de integração pode ser bastante demorado e trabalhoso. 

Por essa razão, as APIs têm sido frequentemente usadas para que desenvolvedores de sites e aplicativos consigam conectar diferentes bancos de dados, por exemplo, permitindo que funcionalidades específicas de um app ou site possam ser utilizadas em outros sem qualquer dificuldade. 

A união desses dois termos, REST API, quer dizer que uma API será utilizada para acessar aplicações backend e que essa comunicação será realizada por meio dos padrões definidos pelo modelo REST de arquitetura

Pode parecer um tanto complicado, mas na prática esses recursos proporcionam diversas facilidades para o contexto do BaaS. Com o uso da REST API, é possível integrar a plataforma de banco digital de uma empresa com as páginas de diferentes instituições financeiras, possibilitando a realização de múltiplas transações por uma única plataforma, de forma muito mais simplificada. 

A REST API permite que sejam feitos o gerenciamento de dados, a autenticação de clientes, o acesso ao banco de dados em tempo real, a abertura de contas digitais, entre outras operações, de maneira totalmente integrada e segura. 

Dessa forma, empresas que desejam oferecer serviços financeiros digitais aos seus clientes podem se beneficiar das REST APIs disponibilizadas pelas instituições e utilizá-las no desenvolvimento backend de seus sites ou aplicativos para ter plataformas completas, funcionais e totalmente integradas à rede.

A Dock como uma plataforma de serviços financeiros modular é responsável por oferecer todo desenvolvimento backend para os serviços financeiros por meio de uma conta de pagamento. Sua equipe pode conhecer desde agora nossa biblioteca pública de APIs e se preparar para realizar as integrações  de vários serviços para criar e escalar as próprias soluções financeiras de BaaS.

Botão para o Blog Dock

Voltar

DeepDock Materiais exclusivos e análises amplas para
quem quer se aprofundar sobre o nosso negócio.
E-books, infográficos, whitepapers, pesquisas e cases.

Acessar gratuitamente

Você está pronto para se tornar um
pioneiro do banking para empresas
no Brasil?

Quero abrir o meu banco