Fraudes por deepfake: ameaça em meios de pagamento requer solução antifraude robusta

Publicado em 28 de janeiro de 2022.

Tempo de leitura 8 minutos de leitura

É verdade que continuamente surgem novos tipos de golpes e fraudes em meios de pagamento, porém, uma modalidade específica vem deixando em alerta os gestores da área: as fraudes por deepfake.

Cada vez mais avançadas, as fraudes por deepfake representam uma ameaça real para os players da indústria de meios de pagamento que ainda não contam com a melhor solução para barrá-las.

E o que está ampliando a dimensão deste tipo de risco? Sem dúvida, os avanços em inteligência artificial e da capacidade de aprendizagem das máquinas são os motores desse tipo de fraude.

Ao mesmo tempo que são criados, diariamente, novos filtros nas redes sociais para mudar características da pessoa capturada pela câmera ou acrescentar elementos na imagem, os cibercriminosos estão usando a tecnologia para burlar sistemas de identificação pessoal.

Portanto, não é por acaso que, de acordo com os especialistas, nunca foi tão difícil para as organizações comprovarem a verdadeira identidade de uma pessoa online.

Por outro lado, a boa notícia é que soluções antifraude cada vez mais robustas e sofisticadas estão sendo desenvolvidas, combinando diferentes recursos tecnológicos para agir na identificação e na prevenção desse tipo de crime no mercado financeiro.

Continue lendo e entenda melhor sobre prevenção a fraudes por deepfake!

 

Fraudes por deepfake: como funciona essa modalidade de fraude

 

As fraudes por deepfake são relativamente recentes. Entretanto, a velocidade com que os cibercriminosos desenvolvem tentativas de burlar as barreiras de identificação torna esse risco uma das prioridades em prevenção a fraudes.

Utilizando ferramentas de Inteligência Artificial e deep learning, eles conseguem reproduzir a imagem e a voz de uma pessoa real, criando, por exemplo, um vídeo bastante realista a partir de fotos e capturas de voz.

Dados da startup Deeptrace mostram que os vídeos deepfake cresceram 330% nos últimos anos. Casos cada vez mais complexos vêm sendo reportados – por exemplo, a tentativa de golpe sofrida por um diretor da Binance, que teve sua imagem usada pelos criminosos para pedir pagamentos a empresas interessadas em serem listadas na corretora de criptomoedas.

No entanto, além das fraudes por deepfake através de vídeos gravados, os fraudadores já conseguem interagir ao vivo em uma chamada de voz ou de vídeo, como se o usuário estivesse de fato participando da interação.

Aplicativos como o DeepFakeLive – software de inteligência artificial de código aberto –, por exemplo, permitem que o usuário converta seu rosto no de outra pessoa em videoconferências e streamings. Além de serem usados por hackers em tentativas de fraudes, apps como esse vêm servindo à publicidade falsa e à clonagem de discursos políticos.

 

Por que essa modalidade de fraude representa uma ameaça à indústria de meios de pagamento

 

Uma vez que as fronteiras entre o verdadeiro e o falso tornam-se menos evidentes, as fraudes por deepfake desafiam até os gigantes da tecnologia e são uma ameaça para as instituições financeiras e a indústria de meios de pagamento.

De acordo com a iProov, 77% dos especialistas em segurança cibernética em serviços financeiros afirmam ter preocupação com o potencial das fraudes por deepfake. Além disso, eles acreditam que o setor de pagamentos online e de serviços bancários é aquele que corre maiores riscos nesse contexto.

Não é por menos: o segmento reúne, afinal, uma imensa quantidade de ativos e dados de pessoas físicas e jurídicas – e, além disso, passa por um grande movimento de digitalização.

Os deepfakes podem burlar sistemas de validação de identidade e de autenticação de transações por meio de reconhecimento facial. Além disso, também conseguem enganar recursos de liveness detection, que usam algoritmos para comprovar que uma interação é real por meio do movimento do interlocutor, por exemplo.

Frente a ações desse tipo, bancos e outros provedores de serviços financeiros que não tenham barreiras de proteção eficazes podem ser afetados — e sofrer prejuízos — em diferentes âmbitos:

  • Pagamentos e transferências autorizados de forma ilegítima;
  • Processos de integração podem ser fraudados e resultar na criação de contas fraudulentas para lavagem de dinheiro;
  • Acesso não autorizado aos sistemas;
  • Golpes de “personificação” solicitando ações de funcionários, envolvendo transferências de valores ou divulgação de dados;
  • Insider tradingou uso indevido de informação privilegiada para manipulação de mercado;
  • Criação de identidades sintéticas unindo informações reais com dados falsos;
  • Sequestro de contas.

 

Para conter a ameaça do deepfake, é preciso contar com solução antifraude robusta

 

Apesar de termos desenhado um quadro bastante preocupante neste artigo, existem boas notícias para os gestores de fraude. No mesmo ritmo em que os criminosos avançam para desenvolver novos tipos de tentativas, provedores de tecnologia antifraude evoluem suas soluções para se antecipar a elas.

Diante das deepfakes, modalidade de fraude que envolve tecnologias extremamente refinadas, é necessário contar com soluções robustas e sofisticadas para combatê-las, capazes de tornar, por exemplo, sistemas de captura de imagem e reconhecimento facial praticamente imunes.

E não estamos falando de um único recurso antifraude, mas de uma plataforma que utilize uma combinação de ferramentas tecnológicas com condições de oferecer uma resposta efetiva na identificação e na prevenção desse tipo de ameaça.

É o caso da solução que oferecemos em parceria com a FICO® – empresa líder mundial em prevenção a fraudes – e que entregamos aos nossos clientes por meio de um modelo de negócios totalmente inovador e acessível para empresas de todos os portes e segmentos.

A plataforma da Dock é baseada na melhor e mais completa solução antifraude do mercado: a plataforma FICO® Falcon®, capaz de gerenciar um volume enorme de transações a partir de modelos de análise extremamente sofisticados, baseados no comportamento dos clientes e nos algoritmos de inteligência artificial.

A FICO® protege, hoje, dois terços de todos os cartões utilizados no mundo por meio de três módulos principais:

  • Falcon Card:protege as transações com cartões bandeirados.
  • Falcon Banking:fiscaliza operações bancárias; como transferências, pagamento de boletos, e agora também o Pix, que torna a solução antifraude ainda mais necessária pela instantaneidade e disponibilidade 24×7 do sistema.
  • CCS® (Customer Communication Services):automatiza e orquestra toda a comunicação em tempo real com os clientes por diferentes canais (SMS, push, e-mail, WhatsApp, voicebot e browser).

A solução Dock | FICO® agrega todos os benefícios da plataforma e ainda oferece uma série de vantagens:

  • Investimento inicial baixo;
  • Modelo pay-as-you-go (cobrança por transação analisada);
  • Bandeiras de cartão de todo mercado;
  • Implementação muito rápida (três a quatro semanas);
  • Robustez inigualável da plataforma;
  • Inteligência tecnológica e aprendizado constante;
  • Tempo de resposta reduzido.

Com o aumento das fraudes por deepfake, intensificar a proteção torna-se mais do que uma questão de segurança, mas também uma estratégia para manter o bom relacionamento com os clientes e para evitar perdas financeiras e de reputação.

Foi pensando nisso e alinhados com nosso objetivo de contribuir para decodificar o universo financeiro e acelerar a bancarização na América Latina, que criamos um modelo de contratação eficaz e acessível a negócios de diferentes portes.

Para saber mais sobre as soluções de prevenção a fraude da Dock, confira este vídeo:

 

Fraudes por deepfake: o que você viu neste artigo?

 

  • Fraudes por deepfakes estão cada vez mais avançadas e já conseguem reproduzir imagem e voz de uma pessoa em uma interação de vídeo ou áudio em tempo real para burlar a proteção no acesso a serviços financeiros.
  • Usando recursos de Inteligência Artificial (IA) e deep learning, os criminosos são capazes de burlar sistemas de identificação pessoal com deepfakes e representam uma ameaça para a indústria de meios de pagamento.
  • Em função da sofisticação das fraudes por deepfakes, essa modalidade demanda uma solução antifraude robusta e inteligente, como a plataforma FICO®Falcon®, oferecida por meio de um modelo de negócio acessível pela Dock.
  • A Dock contribui para o combate à fraude e, assim, auxilia no desenvolvimento de finanças e banking e na ampliação da inclusão financeira na América Latina.

 

Artigos relacionados

 

Quer ficar por dentro das últimas novidades no mercado de pagamentos e digital banking?

Inscreva-se na nossa newsletter mensal:

    Email enviado Inscrição realizada! OK