A gente explica: White Label X Co-branded

Publicado em 21 de outubro de 2019.

Tempo de leitura 10 minutos de leitura

White label e co-branded: dois serviços que podem ajudar na expansão de uma empresa que oferece soluções em banking. Mas você sabe qual a diferença entre os dois? Conhece as vantagens e benefícios de cada um?

O mercado financeiro da América Latina tem vivido uma verdadeira revolução nos últimos anos: com a implementação do Open Banking e do Open Finance, estamos vendo um número cada vez maior de bancos digitais, fintechs e outros players participando de um cenário que até pouco tempo atrás era bastante estagnado, controlado por apenas algumas grandes instituições financeiras.

Essa revolução gerou níveis inéditos de bancarização na região, pois muitos desses novos players oferecem soluções mais personalizadas e com taxas de juros e manutenção mais baixas do que as que costumávamos ver no mercado. Além disso, a mudança também permitiu o surgimento de novas tecnologias e serviços capazes de ajudar empresas de varejo e de outros setores do comércio a oferecer serviços financeiros, como contas digitais e links de pagamento.

No entanto, ainda há muita dúvida sobre o co-branded e o white label, duas tecnologias projetadas para transformar empresas tradicionais em empresas que oferecem soluções em banking. Neste artigo, esclarecemos o significado desses dois termos e a importância deles para o setor de pagamentos e banking. Confira!

 

O que é white label?

 

O white label é uma solução pensada para empresas que querem entrar no mercado de soluções em banking, mas não têm a infraestrutura ou o orçamento necessário para criar uma plataforma própria.

Nesses casos, a empresa em questão pode recorrer ao sistema de BaaS, o Banking as a Service. Dessa forma, ela busca uma parceria com uma plataforma que já conta com todos os serviços, as ferramentas e os recursos necessários para transformar essa empresa em um player pronto para o mercado financeiro.

Ou seja, o white label é um modelo de negócios no qual uma empresa especializada em criar produtos tecnológicos revende esses produtos para outras empresas e organizações. No caso de empresas que querem entrar no mercado de banking, o produto é o software que será usado para disponibilizar aos clientes serviços como:

  • abertura de contas;
  • realização de transferências financeiras;
  • emissão de cartões de crédito;
  • efetuação de pagamentos;
  • recarga de celular;
  • geração de boletos e mais.

A melhor parte é que, por ser white label, o software (e os produtos construídos com ele) podem ser totalmente personalizados com a identidade visual e o branding da nova empresa.

Isso mesmo: você pode oferecer produtos financeiros com a cara da sua marca, sem precisar criar um ecossistema de banking do zero e sem precisar passar por todo o processo de regulamentação. Isso tudo fica por conta da plataforma que está oferecendo a solução de white label.

 

Vantagens do white label

 

A maior vantagem do white label é o fato de que ele simplifica o processo logístico e operacional para empresas que querem se transformar em instituições de pagamento.

Além disso, vale lembrar que o white label:

  • Permite liberdade total em termos de customização dos produtos;
  • Libera a sua empresa da parte técnica e de manutenção, que fica por conta da plataforma parceira;
  • Proporciona agilidade na implantação das soluções e otimiza os processos
  • Possui um custo de aquisição e um custo mensal, pois funciona como um produto que você paga para poder usar. Esse custo é consideravelmente menor do que os custos envolvidos na criação de um software de banking.

Em outras palavras, o white label possui um custo de manutenção, conforme o uso, mas não um custo de criação.

No mais, oferecer soluções desse tipo traz uma série de benefícios para o negócio:

  • Ampliação e diversificação da atuação da empresa;
  • Novas fontes de receita;
  • Fidelização de clientes;
  • Atração de novos consumidores;
  • Geração de dados sobre o perfil dos consumidores, o que pode ajudar a empresa a conhecer melhor o seu público e oferecer soluções mais assertivas.

 

White label na prática: a solução da Dock

 

Um exemplo de plataforma white label é a solução de Banking as a Service (BaaS) da Dock. Projetada para ajudar a decodificar o universo financeiro, a nossa plataforma possibilita o oferecimento de serviços digitais, como cartões, pagamento de contas, pagamentos instantâneos, transferências, geração de boletos, recargas, empréstimos e outros.

Para tanto, a solução da Dock entrega:

  • Onboarding digital de clientes;
  • Sistemas antifraude em cada transação;
  • Gestão de contas de pagamento;
  • API gateways com documentação pública e completa;
  • Suporte regulatório e contábil;
  • Ferramentas de conciliação financeira.

Todos os serviços podem ser personalizados para que fiquem com a cara da sua marca. Desse modo, você fica responsável por vender seus produtos e cuidar dos seus clientes; nós ficamos aqui na salinha dos fundos, possibilitando que tudo funcione.

A nossa ideia é oferecer soluções que ajudem a fomentar o crescimento da sua própria empresa. Empreendimentos de diferentes segmentos e portes já contam com a plataforma white label da Dock para oferecer soluções de pagamento totalmente personalizadas e garantir a melhor experiência para os seus usuários. Alguns exemplos estão nos setores de varejo, transporte e venda direta.

 

O que é co-branded?

 

Co-branded ou co-branding, por outro lado, é um termo usado para descrever ações conjuntas de publicidade.

Embora também seja uma parceria firmada entre duas empresas, o co-branded é uma parceria ou ação conjunta entre marcas que desejam promover um produto ou serviço. Essa estratégia envolve a combinação de dois produtos ou serviços de marcas diferentes em um mesmo “pacote” e deixa clara a presença das duas empresas nos materiais promocionais e nos produtos ofertados.

No entanto, o conceito de co-branded também tem um sentido mais específico dentro do mundo de soluções em banking: a emissão dos chamados cartões co-branded ou “cartões de varejo”.

Nesse modelo, uma empresa firma uma parceria com uma instituição financeira para terceirizar a emissão de cartões de crédito ou de débito. Dessa forma, um negócio de qualquer setor passa a ofertar cartões com bandeiras Mastercard ou Visa — e, embora leve o nome da empresa, os cartões são emitidos por uma instituição financeira em parceria com as empresas MasterCard, Elo ou Visa, por exemplo.

Embora seja uma solução muito usada no varejo, vale lembrar que um cartão co-branded não é a mesma coisa que um cartão private label. No modelo private label, o cartão só pode ser usado dentro da rede de lojas da marca que emitiu o cartão. Já no modelo co-branded, o cartão pode ser usado em qualquer estabelecimento que aceite a bandeira daquele cartão.

 

Vantagens dos cartões co-branded

 

Os cartões co-branded podem trazer diversos benefícios para um banco digital, uma fintech ou uma empresa que está começando a entrar no mundo das soluções em banking. Com ele, é possível:

  • Estimular a fidelização de clientes;
  • Ampliar o alcance de sua empresa;
  • Ofertar programas de pontos e outros benefícios, como milhas ou descontos em estabelecimentos parceiros;
  • Conquistar uma carteira de clientes mais diversificada;
  • Trabalhar com um custo de aquisição menor;
  • Garantir uma fonte de receita, já que muitas vezes as bandeiras enviam para a empresa um percentual sobre as taxas de juro aplicadas aos usuários.

 

White label vs. co-branded: qual a diferença?

 

A diferença entre um modelo de negócios white label e um modelo de negócios co-branded está no tipo de visibilidade que a marca parceira vai ter.

No white label, a sua empresa estará contratando os serviços de uma outra empresa, especializada em oferecer softwares e soluções em banking para que você possa se transformar em um player no setor financeiro.

Esses produtos serão usados por você e personalizados da forma que você quiser. Dessa forma, os seus clientes não estarão cientes de que estão usando uma plataforma terceirizada.

No modelo co-branded, a sua empresa fará uma parceria com uma outra empresa para ofertar um produto ou um serviço em conjunto. Os materiais promocionais, os sites e as comunicações oficiais trarão os nomes das duas empresas e os lucros serão divididos da forma como for acordado.

Em outras palavras, o white label é uma contratação de serviços; o co-branded é uma parceria explícita.

 

White label vs. “cartão” co-branded: qual a diferença e em qual solução investir?

 

A diferença entre white label e cartão co-branded está no tipo de solução ofertada.

Para identificar a melhor solução para o seu negócio, será preciso avaliar alguns fatores, como:

  • O tipo de empresa que você quer construir;
  • O tipo de produtos que deseja ofertar;
  • O orçamento disponível para esses esforços.

Como mostramos acima, o white label oferece uma solução completa em banking para transformar a sua empresa em um player habilitado para o mercado financeiro. O cartão co-branded, por outro lado, é apenas um produto que pode ser oferecido por um player.

 

White label e co-branded: o que você viu neste artigo?

 

  • O white label é uma solução pensada para empresas que querem entrar no mercado de soluções em banking, mas não têm a infraestrutura ou o orçamento necessário para criar uma plataforma própria.
  • No white label, uma empresa especializada em criar softwares de banking revende esse produto para outras empresas e organizações que querem se transformar em players.
  • O white label permite customização total dos serviços e produtos, o que ajuda as empresas a manterem seu branding intacto. Além disso, é uma solução mais econômica do que criar do zero um software de banking.
  • O conceito de co-branded se refere a ações conjuntas de publicidade entre empresas que desejam promover um produto ou serviço. Essa estratégia deixa clara a presença das duas empresas nos materiais promocionais e nos produtos ofertados.
  • Co-branded também pode ser usado dentro do setor de banking para a emissão de cartões co-branded, conhecidos como “cartões de varejo”: cartões que não pertencem a um banco tradicional, mas sim a uma marca ou empresa.
  • Os cartões co-branded são emitidos por uma instituição financeira e carregam bandeiras como Mastercard ou Visa, mas levam o nome e a identidade visual da marca que contratou essa instituição financeira.
  • O white label é uma contratação de serviços; o modelo co-branded é uma parceria explícita.
  • A diferença entre white label e cartão co-branded está no tipo de solução ofertada às empresas.

Artigos relacionados

Quer ficar por dentro das últimas novidades no mercado de pagamentos e digital banking?

Inscreva-se na nossa newsletter mensal:

    Email enviado Inscrição realizada! OK